segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

OITAVA SEÇÃO – SALMO 119:61

Salmo 119:61 – “Laços de perversos me enleiam; contudo, não me esqueço da tua lei.” O verbo enlear, de acordo com o dicionário Michaelis significa “causar perturbação ou embaraço, provocando perda de concentração, presença de espírito ou segurança; confundir, embaraçar”. A perturbação, o embaraço e a confusão podem facilmente desviar o fiel de manter-se atento aos Mandamentos divinos. O salmista, porém, ainda que sob o ataque dos laços dos perversos, mantinha-se conectado com a Lei divina. A expressão “não me esqueço da tua lei” parece sugerir que o salmista, firme e conscientemente, mantinha sua mente conectada com os Mandamentos do Senhor! Não nos esquecermos de que a Palavra de Deus é o eficaz escape que temos contra os laços de perversos!
A. M. Cunha

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

OITAVA SEÇÃO – SALMO 119:60

Salmo 119:60 – “Apresso-me, não me detenho em guardar os teus mandamentos.” É comum entender que quando guardamos algo estamos, na verdade, exercendo proteção sobre aquilo que guardamos. No entanto, quando guardamos a Palavra de Deus nós é que estamos sendo protegidos por Ela. Guardar os mandamentos divinos não significa que os estamos escondendo com o propósito de exercer proteção sobre Eles, mas de prestar-lhes obediência! A obediência aos mandamentos do Senhor deve ser imediata, assim como o salmista declara neste versículo. Qualquer demora em moldar nossa vida aos mandamentos divinos pode significar um perigoso dano para a nossa alma. Sejamos, portanto, cuidadosos em atender aos comandos divinos, pois a Bíblia Sagrada nos diz: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração” [Hebreus 3:15].
A. M. Cunha

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

OITAVA SEÇÃO – SALMO 119:59

Salmo 119:59 – “Considero os meus caminhos e volto os meus passos para os teus testemunhos.” O conteúdo deste versículo é um veemente alerta para que, tão logo percebamos a existência de qualquer desvio espiritual em nossos caminhos, voltemos os nossos passos para o testemunho do Senhor! Basta-nos um honesto olhar para os nossos caminhos para que percebamos a necessidade de nos voltarmos para o Senhor! Os caminhos tortuosos que trilhamos revelam quão afastados do Senhor estamos. Tão logo identifiquemos o menor sinal de afastamento espiritual, devemos lutar firmemente contra a cegueira que pretende nos manter indefinidamente afastados, cientes de que o Senhor graciosamente nos convida a voltarmos os nossos passos para os Seus testemunhos!
A. M. Cunha

sábado, 14 de janeiro de 2017

OITAVA SEÇÃO – SALMO 119:58

Salmo 119:58 – “Imploro de todo o coração a tua graça; compadece-te de mim, segundo a tua palavra.” A expressão “de todo o coração” contida neste versículo é a mesma utilizada como padrão para o mandamento de “amar a Deus”, conforme Deuteronômio 6:5. O vocábulo hebraico [פנימּ] paniym, traduzido por graça, significa literalmente “face ou presença”. Assim, o salmista, ao implorar de todo o coração pela graça divina, o faz consciente de que tudo o que Deus realiza é a expressão de Sua própria pessoa, de modo que clamar por Sua graça corresponde a clamar pela face ou pela presença de Deus! A expressão “compadece-te de mim, segundo a tua palavra” anuncia que o salmista conhecia as promessas da Escritura que asseguravam que ele seria alvo da compaixão divina! Assim, olhando para as promessas contidas na Escritura, o salmista clamava pela compaixão prometida!

A. M. Cunha

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

OITAVA SEÇÃO – SALMO 119:57

Salmo 119:57 – “O Senhor é a minha porção; eu disse que guardaria as tuas palavras.” Utilizava-se o vocábulo “porção” para fazer referência à herança esperada ou recebida. Em sua declaração, o salmista fez saber que sua herança não estava pautada nos bens que o Senhor poderia lhe dar e, muito menos, nos bens terrenos que, com a força do seu braço, poderia conquistar, mas o próprio Senhor era sua herança! Seu coração não se sentia atraído pelos bens que o Senhor poderia lhe dar, mas pelo próprio Senhor dos bens! Sua herança, portanto, não era objetiva [pautada nas coisas, bens ou objetos], mas subjetiva [pautada na personalidade de Deus]. A certeza desta herança estava vinculada à capacitação que o salmista receberia do Senhor para cumprir os Seus mandamentos, por isso ele havia declarado que guardaria as Palavras do Senhor!

A. M. Cunha

domingo, 8 de janeiro de 2017

SÉTIMA SEÇÃO – SALMO 119:56

Salmo 119:56 – “Tem-se dado assim comigo, porque guardo os teus preceitos.” A expressão “Tem-se dado assim comigo”, usada neste versículo pelo salmista, compreende as seguintes situações: a) ele esperava na promessa do Senhor [v. 49]; b) ele era consolado pela vivificação da Palavra de Deus [v. 50]; c) ele não se afastava da lei do Senhor [v. 51]; d) ele era confortado sempre que se lembrava dos juízos divinos de outrora, ou seja, de tudo aquilo que o Senhor havia ensinado e feito [v. 52]; e) ele indignava-se ao contemplar a forma como as pessoas estavam tratando o seu destino eterno [v. 53]; f) ele fazia da Palavra de Deus a motivação para os seus cânticos [v. 54] e; g) ele continuamente se lembrava do Nome do Senhor [v. 55]. Ao final, o salmista conclui porque estas situações acontecem com ele. Sua conclusão pode ser descrita com as seguintes palavras contidas no versículo 56: “porque guardo os teus preceitos.” A obediência aos mandamentos divinos abre portas para que circunstâncias de triunfo se abram diante de nós!

A. M. Cunha

sábado, 7 de janeiro de 2017

SÉTIMA SEÇÃO – SALMO 119:55

Salmo 119:55 – “Lembro-me, Senhor, do teu nome, durante a noite, e observo a tua lei.” Este precioso versículo possui três magníficas expressões: [a] “Lembro-me, Senhor, do teu nome”; [b] “durante a noite”; e [c] “observo a tua lei”. A primeira destas expressões, “Lembro-me, Senhor, do teu nome”, é uma descrição do hábito de lembrar-se dos feitos do Senhor e dos Seus extraordinários atributos, tais como: bondade, misericórdia, soberania, santidade, amor, etc. Na cultura hebraica, o nome é uma descrição da própria personalidade da pessoa, composta pelo que ela é [seus atributos] e pelo que ela faz [seus feitos]! A segunda das expressões, “durante a noite”, descreve o momento em que o salmista exercia o privilégio de lembrar-se do Nome do Senhor: Esta tarefa acontecia durante a noite! A noite, com valiosas exceções, faz a humanidade temer, pois é nela que se concentram os atos de violência e a humanidade entrega-se às paixões carnais. O salmista, porém, seguindo um curso contrário às inclinações da humanidade caída, fazia da noite o momento no qual se empenhava na prática da atividade de meditar na personalidade divina! Por fim, a terceira das expressões, “observo a tua lei”, é uma importante declaração de que a prática de meditações acerca de quem Deus é e do que Ele faz estimula o fiel a observar os mandamentos do Senhor! Isto significa que, quanto mais conhecemos a Deus, mais nos sentiremos motivados a observar a Sua Palavra!
A. M. Cunha